Entenda Os Principais Aprendizados Do E-commerce

Se seguir nesse ritmo, o país chegará ao fim de 2021 com pouco mais de R$ 140 bilhões gerados pelas compras online. Como reflexos das medidas restritivas impostas pela pandemia da Covid-19, brasileiros mudaram os hábitos de compras. Se de um lado houve queda nas vendas em lojas físicas por outro houve aumento na procura pelo comércio eletrônico em todo o país. A Confederação Nacional do Comércio estima que o e-commerce no Brasil feche 2021 com um avanço de 38%. O brasileiro comprou online na pandemia não apenas pela sua eventual condição limitada, visto que home office e modelos híbridos de expediente não são uma possibilidade para todos trabalhadores. Mas o consumidor brasileiro tem investido mais na compra online porque confia nas etapas da jornada do cliente cada vez mais aperfeiçoadas no desenvolvimento de e-commerces. Apesar das restrições, as lojas físicas não estão completamente fechadas e é possível comprar pessoalmente.

Vale destacar que esse indicador foi feito a partir da última Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE, divulgada no dia 10 de setembro. Se desenvolver como um profissional do comércio eletrônico, os eventos de e-commerce proporcionam aos empreendedores a chance de conhecer os desafios, problemas e soluções envolvidas no dia a dia do setor. Para se ter uma ideia, segundo dados Get Store Brasil de 2020, cerca de 80 milhões de pessoas utilizam o e-commerce no Brasil. Segundo dados mais recentes, no primeiro trimestre de 2021, o e-commerce no Brasil teve um crescimento de 57,4% em comparação ao mesmo período do ano anterior. O consumidor, por sua vez, tem acesso ao e-commerce quando procura na internet pelo item ou serviço que precisa, e efetua a compra.

A forte tendência de crescimento do mercado on-line, que já havia sido observada em 2020, se sustentou esse ano. As pressões externas – pandemia, evolução do comportamento do consumidor – continuam existindo, o que naturalmente faz com que as evoluções e mudanças que observamos acontecer de 2019 para 2020 persistam ainda em 2021. O setor do comércio eletrônico não só tem se mostrado resiliente frente à deterioração da economia, mas tem também sido uma importante alternativa para a continuidade de operação de muitas empresas. “O forte crescimento das vendas online em 2021 revela um novo hábito do consumo, com migração de compras para a internet.

Segundo associação, vendas cresceram 68% no ano passado e peso do e-commerce no faturamento total do varejo passou de 5% no final de 2019 para um patamar acima de 10% em alguns meses de 2020. Desde o início da pandemia, ferramentas digitais têm desempenhado papel importante no mundo dos negócios.

Com palestras de extremo valor acerca dos mais variados temas do comércio eletrônico, esse evento leva ao palco alguns dos principais players do varejo brasileiro. No trimestre de julho a setembro de 2021, 16,7% dos brasileiros fizeram ao menos uma compra online segundo o MCC-ENET. O atendimento ao cliente tem papel fundamental nas vendas pela internet, uma vez que o consumidor não tem contato físico nem com os produtos, nem com o lojista. Por isso, estar próximo do público, mesmo que virtualmente, é fundamental. Quando falamos sobre comércio eletrônico, são vários os canais de venda que compõem o universo. Nesse cenário, é normal que, além da loja virtual, outros meios apareçam como opções. Em relação ao ano anterior, o crescimento foi de 4%, o que mostra como o consumidor tem vencido o receio de gastar mais ao comprar pela internet.

quais foram os principais dados do e-commerce brasileiro em 2021

O Que Esperar Do Mercado De Farmácias Em 2022?

O Shopify é mais dinâmico, porque disponibiliza templates de e-commerce e adapta sua loja para design responsivo, funcionando em qualquer device como funciona em desktop, seja smartphone ou tablet. Já VTEX é uma plataforma de open source, possibilitando a um bom time de desenvolvedores a implementação e integração de soluções para tornar a experiência do usuário ainda mais completa.

Bigboost: Atualizações No Produto

Atualmente é Diretor Administrativo/Financeiro e de Operações e Tecnologia na D Loja Virtual. Em sua maioria, são as mulheres as que mais consomem através da internet no Brasil, representando cerca de 58,1% do público. Os homens, apesar de comprarem menos, são os que gastam mais, segundo apontamentos. Em relação ao faturamento, atingiu os R$ 35,2 bilhões, entre janeiro e março de 2021, segundo relatórios da empresa NeoTrust. Técnicas adequadas para fazer com que os consumidores conheçam e comprem os produtos que ele está vendendo. Da mesma forma, suas publicações terão o alcance que a plataforma quiser dar a ela – a não ser que você pague por um impulsionamento e uma maior exposição.

Quem É O Consumidor Do E

Os dois segmentos juntos são responsáveis por 36% das compras totais dos e-commerces brasileiros. A tendência de amadurecimento do mercado, que já havíamos apontado em edições anteriores da pesquisa, segue forte. Quando lançamos a primeira edição do estudo, em 2015, mais de 40% dos e-commerces ativos eram sites construídos pelo próprio lojista, sem a utilização de qualquer plataforma. As plataformas são ferramentas fundamentais na operação de um e-commerce, simplificando a integração de ERPs, a gestão dos estoques e as centenas de outras tarefas necessárias para que uma loja on-line funcione de uma maneira profissional. Ainda segundo a pesquisa, em 2021 deve haver um aumento de 16% nos pedidos, chegando à marca de 225 milhões.

Pandemia de Covid-19 trouxe aos consumidores do país uma nova visão, e os vendedores podem usar isso para se posicionarem . Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia. Jornalista formada pela ECA-USP, certificada em Marketing Digital pela Digital House, em Inbound Marketing pela HubSpot Academy e em SEO Técnico pela SEMrush. Ama escrever textos otimizados para SEO e que, realmente, vão ajudar as pessoas a potencializar suas lojas virtuais. Tendo aparecido pela primeira vez na pesquisa apenas em 2020, um ano depois, mais de um quarto dos lojistas já enxerga essa rede social como um canal importante para manter contato com o público. O segmento que mais vendeu na data foi o de Moda e Vestuário, representando quase 65% das vendas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.